Follow by Email

sábado, 30 de janeiro de 2016

Não tenho medo de denunciar

Não tenho medo de denunciar, precisamos proteger nossas crianças e não esses bandidos!

Pedófilos ‘renomados’ ocupam cargos importantes na política.

Minha luta é mobilizar a sociedade contra a exploração sexual de crianças e adolescentes.

Minha luta é mobilizar a sociedade contra a exploração sexual de crianças e adolescentes.Infelizmente a população é desinformada sobre este tema.
Existem casos onde a criança fica marcada pelo resto da vida, por ter sofrido o abuso sexual, então todos devem lutar por esta causa.

O abuso deixa muitas marcas e abala toda a família e são anos de terapia.

A cabeça de uma criança agredida sexualmente fica confusa e carregamos essa dor por muito tempo, sem saber o que fazer. O agressor é uma pessoa doente que tem dupla personalidade. No meu caso, era o meu próprio padrasto, uma pessoa que deveria me proteger, mas me violentava. É mais que uma traição.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A pedofilia, sob uma grossa capa escura, permanece viva e vigorosa abaixo de nossos narizes, olhos e atenção.




Diariamente dezenas de crianças são violentadas, tem sua infância interrompida, sua inocência violada por seres humanos, homens que pensam, terráqueos detentores de pensamentos que invadem inocentes corpos de forma desumana, invadem seus sonhos como bandidos e destroem infâncias.




O silêncio social que caracterizou o abuso sexual impossibilitou a sua prevenção pelos profissionais da educação, como também deixou-os sem instrumentos para enfrentá-lo. O segredo é um dos aspectos que distingue o abuso sexual de outras formas de abuso infantil. A abertura deste silêncio é urgente e precisa, para não desenvolver na criança o medo às relações com adultos. Este silêncio é algo constrangedor, que transforma o abuso sexual num fenômeno único, mas é evidente que, como crime que é, deve ser punido.

Pedofilia: um crime silencioso

Pedofilia: um crime silencioso
Normalmente ocorre dentro do ambiente familiar, o que torna mais difícil ainda a vítima se manifestar.

sábado, 2 de janeiro de 2016

A violência doméstica é um problema que atinge milhares de crianças, adolescentes, e mulheres.

Não podemos nos calar diante as atrocidades, se não fazemos nada, estamos sendo cúmplices, coniventes com a situação. Temos que dar nossa contribuição, ter solidariedade com nossos irmãos. enquanto cada um de nós pensar só no próprio umbigo não teremos uma sociedade mais justa e muito menos teremos a paz que almejamos.